canadian pharmacy
// Você está lendo...

Borracharia

Sophia Loren merece mais que um simples post

Sophia2000

Como acho que Sophia Loren merece muito mais que um simples post, publico aqui o emocionante texto do jornalista (e meu pai) Adones de Oliveira sobre o dia em que esteve frente a frente com a diva italiana, em 2004. E digo com orgulho: ainda falta tanto para eu aprender a escrever como ele…

Foto: Sophia Loren no Brasil, em 2000 (Tasso Marcelo/AE)

A beleza atemporal de Sophia
Adones de Oliveira

Entre os incontáveis convites que recebi ao longo da minha carreira de jornalista, um deles, em especial, foi cinematográfico: a inauguração do navio italiano MSC Lírica, no porto de Nápoles, que incluía passagem pela ilha de Capri, com pernoite no San Michele, um hotel de 1830 que já hospedou tantas celebridades quanto os anos que tem e uma senhora festa de batismo do navio, estrelando no papel de madrinha, Sophia Loren. ‘La signora Loren’, como é anunciada.

Sophia em pessoa. À sua chegada à cerimônia, com atraso de noiva, criou-se como sempre o congestionamento habitual, formado por dezenas de fotógrafos, cada um dos quais querendo flagrar a estrela no seu melhor ângulo, o deles e o dela.

Sophia desce do carro e os enfrenta a todos com o fair-play e a experiência adquiridos nas muitas décadas de exposições às câmeras e aos holofotes. Desde os anos 50, quando começou sua carreira – Sophia já fez mais de cem filmes -, de pequenos papéis em épicos como ‘Quo Vadis’ e de protagonista absoluta em dezenas de produções de todos os gêneros. Quer dizer, a vida inteira sob a luz, câmera, ação.

Diante de mim está Sophia Loren, como esteve tantas vezes, nos filmes que fez com mil e um diretores e tantos atores famosos, na Itália, na França, nos Estados Unidos, com sua lendária exuberância de formas e de falas, pontuadas por uma gesticulação napolitana, tão dela e tão da Itália.

Sophia continua bela, ainda bonita, não como às vésperas dos 70 – la signora nasceu no dia 20 de setembro de 1934 – mas como a mulher que se preservou, jovem, alta e de incrível aprumo vertical, altiva como nas passarelas em que desfila a elegância, nata e adquirida. Além de atriz, Sophia Loren transformou-se em referência de bom gosto, de bem vestir e de valorizadora de grifes famosas.

Olho para ela e a vejo como uma espécie de atemporalidade, imune ao passar dos anos, com o mesmo rosto anguloso, as mesmas maçãs salientes da faccia, o mesmo ar de tigresa peninsular que é a sua marca. Olho-a e procuro convencer-me de que não estou no cinema. Acompanhada pelos anfitriões, Sophia sobe uma escada que a leva à proa do navio, de onde vai batizá-lo, no clássico atirar do champagne no casco.

No dia claro e à luz literalmente mediterrânea, não estou mais aqui no porto de Nápoles, mas no escuro do cinema, no Rio e em São Paulo, acompanhando Sophia nos seus muitos papéis, aqueles deliciosos, como os da série ‘Pão, Amor e Fantasia’, as muitas comédias com Marcello Mastroianni – os dois fizeram mais de 12 filmes juntos -, aos grandes desempenhos, como no ‘La Ciociara’ (Duas Mulheres), de Vitório de Sicca, que lhe deu o Oscar de melhor atriz em 1960. Enquanto acena do alto do navio, atendendo aos apelos de Sophia! Sophia!

Revejo-a na pele de personagens tão diversos como a Aída, pintada de negra etíope na ópera de Verdi; a Ximena de ‘El Cid’; na pele de Aldonza em ‘The Man of la Mancha’; com Marlon Brando, como a condessa de Hong Kong, no último filme do monstro Chaplin. Sophia com tantos outros parceiros, Cary Grant, Gregory Peck, William Holden, até John Wayne, imagine.

De modo que Sophia Loren continua em cartaz, mais duradoura do que outros ícones da constelação do cinema, uns porque morreram, como Marilyn Monroe, outros porque se eclipsaram naturalmente, como Gina Lollobrigida, sua mais constante rival, outras porque o tempo e o descaso e o desencanto pessoais levaram ao auto-ostracismo, ao desencanto e até a um certo amargor. Como é o caso de Brigitte Bardot, quem nem sombra chega a ser hoje da provocante mulher que Deus criou no filme de Roger Vadim.

BB é o exemplo mais acabado do que o envelhecer de uma atriz não deve ser. Ao contrário de Sophia Loren, irresistivelmente fascinante, como a vejo na moldura do navio e do Mediterrâneo.

Comentários

22 comentários para “Sophia Loren merece mais que um simples post”

  1. felipe, realmente a sophia (que intimidade rs) na minha humilde opinião, é a mais linda de todos os tempos… ainda mais do alto dos 73… continua lindissima para sua idade mais madura…

    tenho fotos antigas da minha mãe que se parecem mto com ela…
    linda de morrer!!!!

    eu, dizem alguns amigos, amigas, lembro mto a Fantin!

    affe qta gente linda nessa familia meu deus! rs…

    bjão pra vc!

    Postado por lucila | 21 de setembro de 2007, 12:00
  2. Felipe, parabéns por ampliar esta homenagem não apenas à grande estrela Sophia Loren, mas ao mito do cinema de todos os tempos! Ainda mais podendo utilizar uma crônica de seu pai, o jornalista Adones de Oliveira. Um banho! Poucos jornalistas podem se dar a este luxo! Você tem do que se orgulhar. Fiquei emocionada! Uma pena que Sophia Loren não veja isso. Homenagem de pai pra filho vale muito mais. Abraços ao pai, ao filho e, mais uma vez a nossa querida e linda Sophia!!!

    Postado por Juliana | 21 de setembro de 2007, 13:47
  3. Retomo a última frase: Abraços ao pai, ao filho e, mais uma vez, a nossa querida Sophia!!!
    Estava faltando uma vírgula… não posso errar, diante de 2 talentos juntos. Beijos.

    Postado por Juliana | 21 de setembro de 2007, 13:51
  4. Caro Felipe, o texto do seu pai narrando esta experiência epifânica só reforça minha tese: o Mundo precisa de mais Sophias.

    Precisamos cloná-la o quanto antes. Só com milhões de Sophias atrizes, executivas, donas-de-casa é que construiríamos a única utopia que ainda resta: o Paraíso.

    Postado por André Felipe | 21 de setembro de 2007, 16:46
  5. TAL PAI, TAL FILHO.

    Adorei enxergar pelos olhos de seu pai.
    Sophia Loren `a luz mediterrânea.
    Nada mais maravilhoso.

    Que presente.
    Obrigada por compartilhar conosco essa paixão. Pelo texto paterno e pela deusa.

    Postado por CRISS | 21 de setembro de 2007, 17:05
  6. O texto está muito bom, aliás achei ótimo El Cid, como também gostei muito do filme More than a miracle, onde ela contracena com Omar Sharif, nossa esse filme foi muito engraçado e muito bom.

    Postado por crica | 21 de setembro de 2007, 17:22
  7. Meu pai é f… parabéns Felipe!

    Postado por Nando | 21 de setembro de 2007, 19:52
  8. Breve vamos ter uma mostra especia de radiografias dele mostrando as artrites , reumatismos etc.
    Sophia não teria vaga no cinema moderno.

    MESMO SE AINDA JOVEM.

    Aquilo era coisa do passado, o publico espera muito mais d q corpinho e rostinho no cinema de hoje tem que ter dinamismo e versátilidade e pelo que vi da sophia em alguns filmes que meu pai tem ela nunca teve, mas mesmo assim tem seus fãs entre eles meu pai
    que adora essa mulher mas acho que é pq ela foi e é muito bonita , mas de pouco talento.

    Postado por patypimentinha | 23 de setembro de 2007, 9:52
  9. Patypimentona, quanta bobagem, inveja e ciúmes por causa do papai!!!
    Falar da falta de talento de Sophia Loren demonstra ignorância total!
    O bom da inveja é que ela faz mal apenas a quem a tem. O objeto invejado não é atingido nunca!
    É porisso que Loren continua magnífica!
    E absolutamente maravilhosa!
    Se você chegar aos 73, pode ter certeza de que não terá nem esta cara, nem este corpo, nem este “savoir vivre”!!!

    Postado por Silvinha | 23 de setembro de 2007, 16:54
  10. Silvinha

    Isso que voce falou é muito poetico, mas o que falo é que cinema do tempo de sophia era muito centrado na fotografia, não precisava muito era se encostar em um carro ou levantar o pé ao ser beijada. ( tipo foto novela )
    E outra coisa com dinheiro é mole ficar velha,
    ela tem seu valor, e mais fora as belas fotos não me lembro de nenhuma contribuição para a cultura da parte dela ou dos filmes que ela fez, sempre eram contos banais.

    Postado por patypimentinha | 24 de setembro de 2007, 9:53
  11. Velha Hoje e que teve grande talento nas telonas foi a Dercy 100 anos. E é um exemplo de alegria para a nossa cultura, Sophia é fruto do internacionalismo cultural brasileiro.

    Postado por patypimentinha | 24 de setembro de 2007, 9:57
  12. Patypimentinha, meu amorzinho,
    não sei nem por onde começar.
    Vou tentar. O cinema ou os filmes da época de Sophia Loren ….eram contos banais? O que quer dizer isso? Quer dizer que o cinema de outros tempos era nada? E só agora os roteiristas ficaram inteligentes? Desde quando isso aconteceu???
    Você já viu algum filme de Sophia Loren? Acho que não.
    Dê uma lidinha de novo no texto e anote alguns filmes que ele lembrou aqui. Escolha um, pegue na locadora e tenho certeza de que a sua opinião vai mudar.
    Outra coisa: “…com dinheiro é mole ficar velha”?
    Não é tão mole assim, não, minha cara. Em tudo na vida, o dinheiro ajuda e muito, mas se você der uma olhada ao redor, vai constatar que entre as mulheres com mais de 60, muitas, que lançam mão do dinheiro para melhorar, estão piores do que poderiam estar…
    Para finalizar: Dercy Gonçalves é bacana, tem seu grande valor, chegou aos 100 anos, trabalhou muito, mostrou seu talento de comediante, mas não pode ser comparada a uma atriz como Sophia (e muitas e muitas outras), que desempenharam e desempenham nas telas os mais variados personagens.
    Para finalizar: o que é internacionalismo cultural brasileiro? É tudo o que é internacional e entra na cultura brasileira? Se for isso, maravilha. Devemos acatar todos os grandes talentos, daqui e de fora, de ontem e de hoje. Em todas as áreas.
    Caso contrário, como iríamos admirar Picasso, Mozart, Beatles, Chaplin, só para citar alguns…
    Patypimentinha, da próxima vez, quero te chamar de Patydocinha. Beijos.

    Postado por Silvinha | 25 de setembro de 2007, 1:29
  13. Bem Silvinha

    Note como voce não menciona nenha estrela da dramaturgia da epoca que atuava aqui, isso pq
    não havia muito nacionalismo cultural nessa epoca, quem foram as protagonistas dos filmes do Glauber por exemplo? quando elas vão ser citadas pelos nossos queridos jornalistas? será que valor vai ser dado em vida como foi o caso da Sophia?
    Não tenho inveja da Sophia, só fico lembrando que nessa epoca o estrageirismo cultoral era tão grande que nossos cantores tinham que se passar por estrangeiros para vender disco. Jesse. Chistian e Ralph lembra de Tony Beneth, M. Albert e outros? Eram brasileiros cantando em ingles ou frances para ganhar uns trocados.
    Silvinha isso é internacionalismo que dura ate hoje e quando vejo um cara como o jô ficar falando atuações maravilhosas de Greta Garbo etc fico lembrando de como o cinema e a musica ficaram em 7° plano no brasil

    Postado por patypimentinha | 25 de setembro de 2007, 10:18
  14. Não sei falar se isso foi reflexo dos tempos politicos que viviamos no Brasil. Tudo indica que sim até pq esses filmes de cinicita e Holywood eram bem corretinhos adequados aos sistemas politicos atuantes na epoca. O cinema nacional nunca foi bem visto.
    Ja o cinema internacional…. Outro exemplo é o oscar (MELHOR FILME DE LINGUA ESTRANGEIRA)
    e nos Brasileiros ficamos babando pela tal estatueta, eles estão certos valorizam a cultura deles, é bom ? é , é muito legal. Mas e o festival de Bramado? lembra do Rio cine festival quem lembra? nossa e o fest Rio? Mas a Sophia eles lembram, e vc tambem.

    Postado por patypimentinha | 25 de setembro de 2007, 10:37
  15. …………z

    …..z

    …………………………………….z

    …………….z

    ………………………….z

    ……………………………………………….z

    ………………………….z

    …………….z

    ….z

    ………z

    ..z

    z

    Postado por A MOSCA | 26 de setembro de 2007, 9:42
  16. Patypimentinha, de novo,
    seguinte: o cinema brasileiro é muito novo. E, claro, não pode ser comparado com Hollywood ou com Cinecittá, muito mais antigos e muitíssimos bem equipados. Aqui, o cinema começou devagarinho e muitos e muitos anos depois. Daí a força dos musicais de Hollywood, de Greta Garbo, Rita Hayworth, Henry Fonda, Judy Garland, Joan Crawford, Bete Davis e tantas e tantos, que não vou ficar aqui relembrando.
    O cinema brasileiro fez sucesso sim, mas só aqui, com as chanchadas da Atlântida, divertidíssimas, com o grande Oscarito, Grande Otelo, Anselmo Duarte e outros tantos bons atores e atrizes, que pobremente desenvolveram suas performances, porque esta arte era precária no país.
    Depois, o Cinema Novo deu uma guinada, com Person, Gláuber, entre outros. Mas hoje em dia já temos grandes filmes brasileiros, tanto que já concorrem ao Oscar – Quatrillho, Cidade de Deus, só para citar. O que para nós é uma vitória, porque desde a época do cinema mudo, era Hollywood que comandava o cinema em todo o mundo.
    A Europa, principalmente a França e a Itália, começou a fazer sucesso com um cinema mais hermético, mais intelectualizado. E a Itália enveredou também pelas comédias de costumes. E por aí vai.
    Quanto aos nossos festivais, como o de Gramado, são sensacionais e projetam o Brasil lá fora. E a Imprensa braisleira dá muita importância e destaque sim. Só que estamos muito longe ainda de competir com os Estados Unidos. Por que? Dinheiro, minha cara. Fazer cinema custa muito caro. Só isso. Mas, chegamos lá. Temos grandes atores, diretores, roteiristas, criadores, técnicos. Falta grana. Mais nada. O que não me impede de amar o cinema estrangeiro, desde que seja ótimo. Eles ainda são os melhores, têm mais mais experiência, mais dinheiro, mais preparo. Não dá para negar.

    Postado por Silvinha | 28 de setembro de 2007, 3:02
  17. pra arrogante da patpimentinha

    PRU PUPU – PU-PU-PU PRUONNN PU-PU-PU- – PU

    PU-PU-PU PRUONNN PU-PU-PU- – PU

    PRUONNN PU-PU-PU- – PU PRU PUPU – PU-PU-

    PU PRUONNN PU-PU-PU- – PU FON PU-PU-PUUU

    Postado por O TOCADOR DE TUBA | 29 de setembro de 2007, 16:56
  18. Que mais há a dizer ?E a Sofia de todos nós que háde ser eternamente a Sofia,um dote da natureza que pertense a todos nós,graças a Ela natureza por nos prendar com um ser tão belo

    Postado por anisio da cunha ferreira | 22 de maio de 2008, 7:24
  19. QUE DEUS TE PROTEJA PARA CONTINUARES A DAR ALEGRIA A TODOS NÒS

    Postado por anisio da cunha ferreira | 22 de maio de 2008, 7:27
  20. ola meu nome e lorena fernanda tenho 19 anos e tenho uma linda filha que se chama sophia loren coloquei este nome pq tenho uma grande simpatia pela a internacional adoro ela meu sonhoe um dia vela para abraçala e mostra que sempre vou amala .beijos

    Postado por sophia loren da silva gonaçalves | 3 de julho de 2008, 17:45
  21. ola meu nome e lorena fernanda tenho 19 anos e tenho uma linda filha que se chama sophia loren coloquei este nome pq tenho uma grande simpatia pela a internacional adoro ela meu sonhoe um dia vela para abraçala e mostra que sempre vou amala .beijos

    Postado por sophia loren da silva gonaçalves | 3 de julho de 2008, 17:47
  22. Só queria parabenizar a pimentinha por defender seu ponto de vista tão elegantemente e com conhecimento de causa, principalmente diante de tanto ataque. abraço!

    Postado por andrea | 7 de março de 2009, 14:43

Insira o seu comentário